quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Abobrinhas recheadas com bacalhau e o 4º aniversário do blog



A Deliciosa Paparoca faz hoje 4 anos :) Por acaso a data calha numa fase em que outros projetos me têm ocupado bastante e deixado pouco tempo para o blog, mas não podia deixar de partilhar hoje convosco uma receita especial. Ao longo de 4 anos o blog tem sido uma inspiração para mim porque o trabalho criativo ajuda-me a desenvolver todo o outro trabalho, ajuda-me a estar equilibrada e feliz e ajuda a rechear com mais sabor as barrigas cá de casa! Por isso o blog tem sido um projeto conseguido, que vou manter enquanto me der gozo e satisfação, como sempre disse. 
Continuo a agradecer imenso a quem segue as minhas receitas, aí "desse lado". Mantenham-se por cá, deixem os vossos comentários, críticas, elogios, sugestões. Vocês são a razão de ser da partilha das minhas receitas!
Continuo a agradecer a todos os amigos que provam as minhas paparocas e que partilham alegremente a mesa comigo. Gosto muito dos meus verdadeiros amigos e de os ter sentados à minha mesa. Continuo a agradecer ao meu marido, que é o "provador oficial" da Deliciosa Paparoca, é o ajudante que arruma sempre tudo, é o meu grande amigo e o meu companheiro de refeição todos os dias, que come a comida fria porque tem que esperar que eu tire as fotografias, sem nunca lhe faltar a paciência.
Gostava também de vos pedir que, nesta altura em que passamos tempos tão conturbados, tanto no país como no mundo, pensem um pouco no que comemos e na forma como comemos. Não desperdicem comida porque é um bem sagrado. Estejam atentos ao que compram, à origem dos alimentos. Dentro das possibilidades financeiras de cada um, tentem comprar produtos saudáveis, não processados, de produção o mais sustentável possível, de origem nacional e biológica sempre que possível. Leiam os rótulos, informem-se sobre a origem dos alimentos, cozinhem-nos com respeito e organizem as refeições semanalmente para minimizar o desperdício alimentar. Nós somos mesmo o que comemos e o planeta é o nosso habitat. Se o destruímos a este ritmo, vamos ser cada vez mais infelizes, mais pobres em todos os sentidos e vamos deixar uma herança muito pesada às próximas gerações.
Um beijo grande para todos e boas paparocas!

Ingredientes para 4 pessoas:
2 abóboras hokaido ou de outro tipo, desde que não sejam muito grandes (500 a 800 gr cada, eu uesei hokaido biológicas)
2 postas médias de bacalhau
1 cebola grande
2 vagens/raízes de curcuma fresca (ou uma colher de chá de curcuma em pó - açafrão das Índias)
3 dentes de alho
1 dl de azeite
Sal e pimenta qb
Para o bechamel: 1 colher de sopa de manteiga, 1 colher de sopa de farinha sem fermento, água de cozer o bacalhau qb
2 colheres de sopa de queijo ralado (o que mais gostarem, desde mozarella a queijo da Ilha, conforme gostam mais ou menos intenso)
12 camarões grandes
Mistura de ervas finas (ou outras a gosto) qb para polvilhar

Preparação:
Comece por retirar a "tampa" às abóboras e asse-as durante 25 minutos no forno a 200º. Deixe-as arrefecer, retire as sementes e a polpa, deixando apenas uma "parede" à volta. Reserve a polpa e as abóboras, que vão servir de "recipiente". 
Corte a cebola em finas rodelas e refogue-a no azeite com os alhos laminados até amolecer, mas sem ganhar cor. 
Coza o bacalhau em água durante 5 minutos. Despois desfaça-o em lascas, retirando espinhas e peles. Junte as lascas de bacalhau à cebolada, bem como a curcuma ralada (no caso de ser fresca) ou em pó. Junte também a polpa de abóbora e misture tudo, deixando cozinhar por 2 a 3 minutos. 
Entretanto, num tacho à parte, vá fazendo o molho bechamel. Deite a manteiga no tacho e, quando esta estiver a ferver, junte a farinha e mexa rapidamente. Reduza o lume e vá juntando água de cozer o bacalhau aos poucos, até obter um molho bastante espesso. Por fim tempere com pimenta, retifique de sal e junte o queijo ralado, misturando bem para que derreta. Junte este preparado ao bacalhau de cebolada. 
Com um pouco de azeite e um dente de alho laminado, salteie os camarões durante 2 minutos. Tempere de sal e pimenta e umas gotas de limão. Corte-os em pedaços (reserve um inteiro por pessoa para guarnecer) e junte ao preparado de bacalhau, envolvendo tudo bem. Enquanto está bem quente, deite o preparado nas abóboras até as rechear completamente, polvilhe com as ervas e coloque um camarão em cada uma. Sirva de imediato. Eu servi com uma salada verde a acompanhar.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Bacalhau com farinheira e tomate



Fiz mais uma receita de bacalhau diferente, inventada e que correu bem :) Até porque se torna fácil, dado que o bacalhau liga bem com tudo! Este prato tem sabores bastantes alentejanos, muita tomatada e a farinheira, fica muitooo suculento. A doçura da batata doce equilibra a acidez do tomate e o salgado do bacalhau, na minha opinião liga tudo muito bem. Ficou uma delícia, quem provou gostou muito. Espero que também experimentem e apreciem.

Ingredientes para 4 pessoas:
4 postas bacalhau
1 farinheira
2 batatas doce (cerca de 600 a 700 gr de batata)
1 alho francês grande
1,5 dl de azeite 
1 lata de polpa de tomate grande ou 8 tomates maduros
Oregão secos qb 

Preparação:
Comece por cozer o bacalhau em água durante apenas 8 minutos. Corte o alho francês em rodelas e refogue-o no azeite. Quando estiver macio, junte a farinheira e desfaça-a com um garfo. Depois junte o tomate e desfaça-o também. Deixe cozinhar durante 3 minutos. Junte o bacalhau depois de cozido e removidas as peles e espinhas. Deixe cozinhar mais 2 minutos e vá mexendo. Não precisa de sal, pois o bacalhau já tem o suficiente.
Lave muito bem as batatas e corte-as em rodelas finas. Coza-as durante 2 minutos na água de cozer o bacalhau. Depois de ter as rodelas de batatas cozidas e o preparado de bacalhau pronto, monte o prato.
Pode fazer num tabuleiro ou em aros de empratamento e servir em doses individuais. Disponha uma camada de batatas não muito alta (cerca de 2 cm), por cima disponha uma generosa quantidade de bacalhau e por cima novamente uma camada de batatas. Regue com um fio de azeite, polvilhe com oregãos e leve ao forno a 200º a gratinar durante cerca de 15 minutos. Sirva com uma salada verde.

Nota: eu fiz algumas doses individuais empratadas em aros e coloquei o que sobrou num pequeno tabuleiro. Como acabou a batata doce, substitui por rodelas de courgette, que foi crua ao forno (neste caso não precisa de cozedura prévia).

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!


domingo, 24 de setembro de 2017

Bolo de bolacha gelado



Este foi o bolo que fiz para o 30º aniversário do meu querido sobrinho André. Bolo de bolacha, como ele pediu. Uma versão um pouco diferente da tradicional, mas que também ficou deliciosa. Fica muito cremoso e geladinho é fantástico. A minha sugestão é que o coloquem no congelador e tirem para o frigorífico 45 minutos antes de servir. O meu sobrinho gostou muito do bolo e isso é o que me deixa mais feliz!
Ele fez 30 e faz parte da minha vida há 25. Lembro-me bem das primeiras vezes que o vi, quando eu e o meu marido (na altura namorado) o íamos buscar ao infantário. Claro que cresceu muito desde então e não foi só fisicamente, foi como pessoa, que é o mais importante e que nem todos conseguem. Tenho muito orgulho no meu sobrinho e uma enorme amizade por ele!
Espero que vocês experimentem o bolo e que seja um sucesso tão grande como foi por aqui!

Ingredientes para um bolo grande:
5 pacotes de bolacha torrada (usei das retangulares)
4 chávenas (das de chá) de café forte sem açúcar + 1,5 a 2 chávenas iguais de leite magro (coloquem mais ou menos leite, conforme queiram o sabor do café mais ou menos intenso)
1 lata de leite condensado cozido (usei do cozido magro)
2 pacotes de natas para bater
500 gr de queijo ricotta (podem usar outro queijo creme,se preferirem)
Açúcar em pó a vosso gosto (usei cerca de 100 gr)
Raspas de chocolate e nozes picadas para guarnecer

#Vão precisar de um aro redondo de forma de bolo


Preparação:

Comece por preparar os cremes para que estes descansem no frio pelo menos uma hora antes de os usar. Bata o leite condensado com a batedeira elétrica até se desfazer completamente.Qunado estiver uniforme e sem grumos, vá incorporando as natas previamente montadas (batidas até ficarem firmes). Continue a bater com a vara de arames da batedeira para que fique tudo bem envolvido.
Em relação ao creme de queijo ricotta: deite o conteúdo das embalagens de queijo numa tigela e vá batando também com a batedeira elétrica para desfazer tudo. Junte açúcar em pó a gosto até estar doce o suficiente. Se gostarem, juntem umas gotas de essência de baunilha. Quando obtiverem um creme consistente, guardem no frio. Deixem ambos os cremes repousar cerca de uma hora no frigorífico.
Num prato fundo junte os cafés fortes e o leite. Num prato grande, coloque um aro de forma de bolo redonda. Vá embebendo as bolachas na mistura de café e dispondo-as até cobrirem toda a circunferência. Faça duas camadas de bolacha e junte uma camada de um dos cremes... outra camada dupla de bolachas e junte uma camada do outro creme e assim sucessivamente até terminar bolachas e creme. Depois de pronto leve o bolo ao congelador. Cerca de 45 minutos antes de servir, retire para o frigorífico. No momento de servir decore as laterais com nozes picadas e a parte de cima com raspas de chocolate. Eu também juntei uns paus de canela para decorar.

Bom apetite e bom domingo!

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Salsichas frescas com marmelos estufados




Primeiro dia de outono... pronto, já sabem que eu gosto é do verão, mas não deixo de fazer receitas por ele me virar as costas ;) O outono também traz frutas boas, como os marmelos, os dióspiros e, mais tarde, as castanhas, que eu adoro! Por isso há que tirar partido do que cada epóca do ano tem de melhor, mais bonito e mais saboroso e seguir em frente de colher de pau na mão! Foi o que fiz com estes marmelos, espero que gostem da receita.

Ingredientes para 4 pessoas:
12 salsichas frescas de aves
2 marmelos grandes
1 cebola
1 dl de azeite
1 colher de sopa de manteiga
1,5 dl de vinho licoroso (usei D. Elvira da Adega de Arruda)
Sal qb
2 colheres de sopa de mel
2 colheres de sopa de mostarda
1 raminho de alecrim e outro de tomilho
1 chávena almoçadeira de arroz carolino
Caldo de carne qb
2 colheres de sopa de passas sultanas
1 colher de sopa de amêndoa laminada

Preparação:
Deite a manteiga num tacho anti aderente. Corte os marmelos em meias luas e retire apenas o caroço, deixando a casca. Coloque os marmelos no tacho para caramelizarem. Vá virando, quando estiverem dourados, junte o vinho licoroso e reduza o lume. Deixe estufar até estarem macios. Quando estiverem prontos, retire e reserve. Ao molho de estufar os marmelos, junte o mel e a mostarda e reserve.
No mesmo tacho deite metade do azeite e meia cebola picada. Deixe a cebola amolecer cerca de 2 minutos e depois junte as salsichas e as ervas aromáticas. Deixe estufar com o tacho tapado. Quando as salsichas estiverem prontas, junte todo o suco ao outro molho de vinho, mel e mostarda e reserve.
Entretanto vá fazendo o arroz. Refogue ligeiramente a outra metade da cebola com o azeite. Junte caldo de carne (duas vezes e meia a quantidade do arroz) e deixe ferver. Junte o arroz e as passas e deixe cozer durante cerca de 12 minutos. No fim junte a amêndoa laminada. Sirva as salsichas com este arroz cremoso e os marmelos. Regue os marmelos e a carne com o molho de vinho, mel e mostarda e delicie-se!

Bom apetite e bom fim-de-semana!

domingo, 17 de setembro de 2017

Marmelada




Apanhei as gamboas da árvore dos meus pais e fiz marmelada. Umas semanas depois a minha amiga Rosa ofereceu-me vários quilos de gamboas, igualmente grandes e bonitas, e voltei a fazer marmelada. As gamboas são como os marmelos, mas maiores e provenientes de árvores, enquanto os marmelos nascem de arbustos mais baixos. A gamboa tem um pouco menos de acidez e também é muito aromática, faz uma compota excelente! Não sou muito experiente a fazer este doce, por isso pedi umas dicas a uma colega do grupo do pilates, uma amiga que cozinha bastante bem. Segui os conselhos a preceito, não descasquei a fruta e usei uma proporção de açúcar que resultou na perfeição. Agradeço à minha amiga Manuela pelas dicas! 
Depois de feita a marmelada, cobri cada taça com papel vegetal embebido em rum (aguardente ou alcool também serve o propósito). A minha avó paterna fazia sempre marmelada e doce de tomate por esta altura do ano. O doce de tomate era muitoooo doce e delicioso, era o meu preferido e ela guardava-o em frascos de Tofina, uma recordação dos tempos de infância que tenho muito presente. Ainda consigo sentir o sabor do doce de tomate da minha avó... Quanto à marmelada, era colocada em taças e coberta com o papel vegetal embebido em aguardente para ajudar a conservar. Eu adoro recuperar estes sabores "antigos"...
Como fiz a marmelada por duas vezes e com fruta de diferentes proveniências, o resultado final não foi exatamente o mesmo. As fotos que vos mostro foram tiradas da primeira vez que fiz, das gamboas da árvore dos meus pais. A marmelada ficou muito vermelha (adoro quando fica assim, acho muito bonito) e rija, de cortar à faca, mas sem estar seca. Quando fiz com as gamboas que a Rosa me deu, ficou mais clara e um pouco mais cremosa, mas igualmente saborosa. De ambas as vezes não descasquei os frutos. Quanto mais apurarem o doce, mais escuro fica e (potencialmente) mais rijo depois de arrefecido. Há quem faça na panela de pressão (a Rosa faz assim), mas eu não uso, por isso fiz num tacho e deixei apurar bastante até o açúcar estar em ponto bastante espesso e os marmelos mesmo a desfazerem-se. Espero que gostem e que se deliciem com este doce tão típico da época! O outono está a chegar... eu sou mulher do verão, mas há que aproveitar o que de bom cada estação nos oferece.

Ingredientes:
1 kg de marmelos ou gamboas (pesados depois de retirados os caroços)
850 gr kg de açúcar branco
1 pau de canela

Preparação:
Lave muito bem as gamboas. Corte cada uma ao meio, em quartos e, depois, cada quarto ao meio novamente. Retire os caroços, que podem ser aproveitados para fazer geleia. Não é necessário descascar as gamboas ou marmelos. Coloquem a fruta dentro de um tacho grande e juntem o açúcar e um pau de canela. Levem a lume baixo até o açúcar ficar em calda. Depois podem aumentar um pouco o lume e deixar os marmelos cozerem no açúcar durante 60 a 80 minutos. Por fim, retirem do lume e triturem tudo com a varinha mágica. Resta distribuir o preparado por taças e cobrir com o papel vegetal embebido em bebida alcoolica bastante forte. Se a marmelada ficar "no ponto" vai solidificar, ficar rija e conservar-se por muitos meses. 
Comam assim, simplesmente, ou com queijo, tostas, pão ou usem em bolos e outros pratos. Eu adoro comer com queijo, qualquer tipo de queijo, porque sou louca por este alimento :)

Bom apetite e bom fim-de-semana!







quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Pudim de caramelo




Esta é daquelas receitas tão fáceis, que nunca falham. Também é rápida de preparar, mas convém ser feita de véspera porque o pudim precisa de arrefecer para ser desenformado. Ainda assim, se estiverem com pressa, há truques que podem usar para desenformar o pudim poucas horas depois de o fazer... Assim que o retirarem do forno, coloquem a forma dentro de água fria (só por fora, claro, sem que a água entre para dentro do pudim). Vão substituindo a água fria (também podem usar fresca do frigorífico) até que a forma esteja completamente arrefecida. Isto vai fazer com que a temperatura baixe muito mais rapidamente. Podem colocar a forma dentro de um alguidar com água ou mesmo dentro do lava loiças. Assim que o pudim esteja arrefecido, coloquem-no no frigorífico e deixem repousar 2 a 3 horas. Resta desenformar e servir ;)

Ingredientes:
1 lata de leite condensado cozido
2 medidas de leite iguais à lata (usei leite magro)
6 ovos inteiros
Caramelo líquido para barrar a forma
Fruta fresca a gosto para guarnecer

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 200º.
Bata o leite condensado cozido com a batedeira elétrica até se desfazer totalmente. Aos poucos vá juntando o leite branco e continue a bater até estar tudo bem misturado. Parta os ovos para uma tigela à parte e bata-os manualmente, só para misturar. Junte os ovos ao preparado de leite e bata até a mistura estar homogénea. Deite o preparado numa forma de pudim untada com caramelo líquido. Coloque a forma dentro de um tabuleiro com uma altura de 2 dedos de água e leve ao forno a 200º em banho maria até estar cozido (cerca de uma hora).
Arrefeça, leve ao frio e desenforme. No momento de servir, guarneça com fruta fresca com alguma acidez (usei fisális) e folhas de hortelã.

Bom apetite e bom fim-de-semana!


sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Bolo de pêras e figos com mel




Depois das férias, chegou a hora de regressar ao pilates. E se eu tinha saudades das aulas e dos colegas e da professora! Por isso resolvi fazer um bolo para levar logo na primeira aula e arruinar qualquer tentativa da Dina nos fazer perder as calorias ganhas nas férias... Mas ela apreciou muito e não estou a brincar, porque ela aprecia sempre muito quando levamos qualquer tipo de doce :)
Outra colega de turma também levou uns deliciosos cheesecakes de morango, que desapareceram em minutos, juntamente com o bolo... Tínhamos motivos para comemorar, não apenas o nosso reencontro depois das férias, mas também os sucessos alcançados. Sabe muito bem comemorar as vitórias, nossas e daqueles de quem gostamos e de que nos orgulhamos. E eu gosto muito do pessoal do meu grupo do pilates!

Ingredientes:
2 ovos XL
100 gr de manteiga sem sal amolecida
150 gr de açúcar amarelo
100 gr de mel
1,8 dl de leite
2 peras grandes
4 figos frescos
280 gr de farinha de trigo
1 colher de chá de canela em pó
1 colher de café de bicarbonato de sódio
Papel vegetal para forrar a forma

Preparação:
Pré aqueça o forno a 180º. Eu fiz no modo ventilado a 175º.
Bata a manteiga amolecida com o açúcar e o mel. Junte os ovos inteiros e o leite morno, bata novamente. Adicione o bicarbonato e a canela à farinha e junte uma parte à mistura, continuando a bater apenas por um minuto. Junte o resto da farinha e envolva apenas.
Numa tarteira forrada com papel vegetal, disponha 2 peras cortadas em fatias. Por cima disponha a massa e alise. Corte os figos em metades e disponha por cima da massa. Coza em forno a 180º durante cerca de 40 minutos ou até a massa estar firme. Eu optei por deixar o bolo um pouco cremoso no meio, mas podem cozer mais, conforme o fosso gosto. A fruta vai sempre dar alguma humidade a este bolo. Fica uma delícia!

Bom apetite e bom fim-de-semana!

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Massada de tamboril com gengibre e curcuma



Quando a comida é saborosa (gulosa mesmo) e saudável, isso é algo que adoro! Porque adoro comer e tento escolher ingredientes saudáveis e formas diferentes de os confecionar, para prejudicar o menos possível a saúde e agradar o mais possível ao palato ;) Não é difícil, é só uma questão de imaginação e ir experimentando conjugações de sabores. Os aromas, temperos, ervas aromáticas, são muitas vezes o segredo de um prato aromático e diferente. Poupa-se no sal e adiciona-se sabor de outras formas, com alimentos que, muitas vezes, são super saudáveis, mas ficam esquecidos na prateleira. Espero que gostem desta massada um pouco diferente, tem todos os sabores tradicionais e ainda o gengibre e o açafrão, que são altamente anti-inflamatórios e benéficos para o organismo. Ficou uma delícia e o "segredo" aqui foi o caldo do peixe muito aromático e a quantidade qb de gengibre e açafrão. Experimentem!

Ingredientes para 4 pessoas:
1 tamboril inteiro com os fígados (1 a 1,2 kg de peixe)
2 chávenas grandes (tipo almoçadeira) de massa cotovelo
2 tomates bem maduros
1 molho de coentros
1 pedaço de gengibre fresco com 6 a 7 cm
1 cebola grande
3 dentes de alho
1 fio de azeite
2 colheres de chá de curcuma em pó (açafrão das Índias)
Sal qb


Preparação:

Arranje o tamboril e corte-o em pedaços, tal e qual como se fosse fazer arroz. Preserve os fígados. Coloque todos os pedaços, incluindo a cabeça e todas as partes menos nobres do peixe num tacho, bem como os fígados. Junte um dente de alho, o pedaço de gengibre fresco descascado e alguns pés de coentros. Junte sal a gosto e água a cobrir. Deixe cozer. Ao fim de 15 a 20 minutos, verifique se as postas de peixe estão cozidas e retire-as assim que estejam cozidas, não deixando ficar tempo demais para não "emborrachar". As partes menos nobres do peixe, as partes com osso e os fígados devem continuar a cozer no caldo por mais uns 20 minutos. Quando estiver pronto, coe o caldo e reserve.
Refogue ligeiramente a cebola e 2 dentes de alho picados com o azeite. Junte os restantes pés de coentros muito bem picados (reserve as folhas) e deixe refogar uns minutos, sem que a cebola ganhe cor (só deve ficar transparente). Numa picadora ou processador de alimentos coloque os fígados do tamboril já cozinhados e os tomates pelados. Triture tudo e junte ao refogado, deixe cozinhar 2 minutos. Junte cerca de 4 dl de caldo do peixe e retifique o sal. Quando o caldo ferver, junte a massa, mexa e deixe cozer cerca de 10 minutos ou até estar na consistência desejada. No fim da cozedura, junte as postas do tamboril e as folhas de coentros picadas.

Nota: com o caldo que sobrar e o peixe das zonas com osso do tamboril, pode preparar uma deliciosa sopa.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

sábado, 26 de agosto de 2017

Mousse de laranja e lima



Uma mousse cítrica e fresca, deliciosa e perfeita para o verão. Sim, porque ainda há muito verão para gozar!! Espero que gostem desta sugestão, que é muito simples de preparar. Façam a mouse com alguma antecedência, ou até mesmo de véspera, e deixem-na no frio até ao momento de servir. Fresquinho... fresquinho... e docinho ;)

Ingredientes:
1 lata de leite condensado (usei do magro)
Sumo e raspa de 1 lima
Sumo e raspa de 1 laranja
3 claras de ovo batidas em castelo
2 dl de nata para bater

Preparação:
Esprema o sumo dos citrinos e junte ao leite condensado. Junte também a raspa de laranja. Misture tudo bem. Bata as natas e envolva no preparado anterior. Bata as claras em castelo bem firme e envolva também. Leve ao frio pelo menos durnate 3 horas. Para guarnecer juntei um pouco de torrão de laranja e a raspa da lima.

Bom apetite e bom fim-de-semana!

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Peixe galo com açorda de ovas



Descobri o peixe galo, ou alfaquique, em Peniche, já há muitos anos. É um peixe delicioso, de carne branca e firme. É saboroso e, quando partido às postas, só tem a espinha do meio. Também é delicioso em filetes. Nos restaurantes não é muito barato mas, se encontrarmos no mercado ou peixaria, podemos prepará-lo em casa, pois não é complicado. Peça que partam o peixe às postas, depois de arranjado, e reservem as ovas para fazer a açorda. espero que gostem desta delícia! 

Ingredientes para 4 pessoas:
1 pão médio a grande tipo saloio ou alentejano
1 peixe galo com cerca de 1,2 kg com as ovas
3 a 4 dentes de alho
1 ramo de coentros
1 fio de azeite
Farinha de milho qb
Sal qb
Óleo para fritar
Tomate ou outra salada para acompanhar

Preparação:
Reserve as postas do peixe para fritar e coloque a cabeça e ovas num tacho. Cubra de água, junte sal (pouco) e um dente de alho esmagado. Deixe cozer durante cerca de 30 minutos para formar um caldo. Depois coe o caldo e reserve-o, bem como as ovas.
Parta o pão em cubinhos para uma tigela e junte 1 a 2 dentes de alho ralados. Vá deitando o caldo do peixe e deixe o pão amolecer. Entretanto tempere o peixe com sal grosso, passe as postas por farinha de milho e frite-as em óleo quente.
Num tacho deite um fio de azeite e junte os pés dos coentros bem picados (reserve as folhas) e um dente de alho esmagado. Quando começar a "saltar", junte o pão previamente amolecido. Baixe o lume para brando. Vá mexendo tudo e juntando mais caldo de peixe até obter a consistência desejada. Se gostar de uma açorda mais macia e desfeita, deve passar tudo pelo pass-vite. Eu dexei-a macia, mas com alguns pedaços de pão, só desfiz com a colher e optei por não triturar tudo. Retifique de sal, junte as ovas desfeitas e continue a mexer a açorda até estar pronta. Sirva com o peixe frito e uma salada de tomate.
Pessoalmente não gosto de temperar este peixe com mais nada além de sal porque gosto de sentir o sabor do próprio peixe, mas podem temperar com sumo de limão, ou até alho, antes da fritura.

Nota: se o peixe não trouxer muitas ovas, compre mais, mesmo que sejam de pescada ou bacalhau, também são boas.
Nota 2: ao comprar o peixe, certifique-se de que tem a mancha escura que podem ver na foto, isso significa que é mesmo peixe galo.